DEZEMBRO DE 2017 - 18 MILHÕES DE PÁGINAS VISTAS

DEZEMBRO DE 2017 - 18 MILHÕES DE PÁGINAS VISTAS
NOSSA DIGITAL É A DEFESA DE QUEM TRABALHA E TRABALHOU !

terça-feira, 8 de março de 2016

DESEMPREGO AFETA SAÚDE SUPLEMENTAR - 800 MIL BRASILEIROS PERDERAM OU DESISTIRAM DE SEUS PLANOS DE SAÚDE



A CRISE QUE ACABOU GERANDO DESEMPREGO, contribuiu de forma pesada para que aproximadamente 400 MIL trabalhadores perdessem seu plano de saúde. Foi no segmento dos CONTRATOS COLETIVOS EMPRESARIAIS que houve o maior BAQUE.

Sem PLANO DE SAÚDE, esse contingente de pessoas e seus familiares irão bater às portas do SERVIÇO PÚBLICO DE SAÚDE, já sobrecarregado, sem VERBAS suficientes, ou envolvido nas FRAUDES MILIONÁRIAS, especialmente das TERCEIRIZAÇÕES E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS CRIMINOSAS.
*************************************************************************

Planos de saúde perderam 766 mil usuários em 2015, diz instituto
07/03/2016 - Brasília - Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil

Os planos de saúde médico-hospitalares perderam 766 mil usuários em 2015, de acordo com o boletim Saúde Suplementar em Números, do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), divulgado hoje (7). Em 2014, eram 50,50 milhões. No ano passado, o número caiu para 49,73 milhões, o que equivale a uma diminuição de 1,5%.

Segundo o levantamento, a queda foi puxada principalmente pelos contratos coletivos empresariais, aqueles oferecidos pelas empresas aos seus funcionário. Nesse segmento houve queda de 404,8 mil vínculos, uma diminuição de 1,2% em relação a 2014. Isso significa que somente os planos coletivos empresariais responderam por 52,85% de todos os usuários que deixaram de ter plano de saúde em 2015.

Os planos coletivos por adesão, que são aqueles firmados por intermédio de entidades de classe, por exemplo, registraram a saída de 128,7 mil usuários, ou seja, uma queda de 1,9% do total de vínculos em 2015, em comparação a 2014. Já o total de usuários de planos individuais ou familiares caiu 1,6%, o que representa 158,6 mil vínculos a menos que em 2014.

“A saúde suplementar, da mesma forma que toda a economia brasileira, passa por um momento difícil por conta da crise econômica", diz o superintendente-executivo do IESS, Luiz Augusto Carneiro, em nota à imprensa. De acordo com ele, a queda no número de usuários acompanha uma alta dos custos no setor. Até junho de 2015, a Variação de Custos Médico-Hospitalares (VCMH) apurada pelo IESS teve alta de 17,1% em 12 meses.

O boletim mostra ainda que os planos de saúde exclusivamente odontológicos foram os únicos que não apresentaram queda no total de beneficiários. Na comparação entre 2014 e 2015, o segmento cresceu 3,8%, registrando a adesão de 795,1 mil vínculos.

Edição: Maria Claudia

Um comentário:

  1. Adorei seu Blog! Realmente estamos com muitos desempregados e encontrei um ótimo site de vagas de emprego para ajudar o Brasil a sair dessa lama: http://vagadeemprego.liste.com.br/

    ResponderExcluir

ATENÇÃO !!!! REDOBREM O CUIDADO COM O QUE ESCREVEM E COM OS TERMOS QUE USAM. O BLOG É LUGAR DE TROCAR OPINIÕES E NÃO DE TROCA DE OFENSAS. Deixe seu comentário na certeza de que sua opinião é muito importante. Ressalvamos o nosso direito de deletar conteúdos debochados, rasteiros, com pregação de ódio, ilegalidades, ofensivos ou injuriosos. A responsabilidade pelo que escreve é do autor do comentário, que poderá ser identificado com ordem judicial pelo IP.

ACERVO SOU SERVIDOR

CONEXÃO NOTÍCIAS

CONEXÃO NOTÍCIAS
O SERVIDOR / TRABALHADOR BEM INFORMADO - CLIQUE NA IMAGEM